Páginas

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Centrais lançam agenda da classe trabalhadora que inclui revogação da reforma trabalhista e da EC 9

O lançamento da "Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora - Democracia, soberania e desenvolvimento com justiça social: trabalho e emprego no Brasil" acontece agora no Sindicato dos Químicos, em São Paulo, e conta com a participação de lideranças das principais centrais sindicais: CTB, CUT, CSB, Força Sindical, NCST, Intersindical e UGT.
O diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, fez a abertura do evento, explicando que a agenda reúne as principais propostas do movimento para o crescimento e desenvolvimento do país e que será entregue aos candidatos nas eleições deste ano.
“São 22 diretrizes para serem apresentadas aos candidatos”, disse Lúcio. “São demandas em todas as áreas, econômicas, sociais e trabalhistas, contemplando direitos essenciais da classe trabalhadora”.
Foi realizada a leitura de um manifesto das centras sindicais enfatizando a importância do diálogo e da mobilização da classe trabalhadora para resistir ao desmonte dos direitos e promover crescimento e geração de emprego.
“O corte nos gastos sociais reduz ainda mais a proteção social e amplia a pobreza e a miséria”, diz o manifesto, que destaca a importância das eleições de 2018 para construir a mobilização da classe trabalhadora. "Os trabalhadores criaram o sindicalismo para serem protagonistas do próprio futuro", diz outro trecho. 
Entre as principais diretrizes, estão a revogação da reforma trabalhista, da Emenda Constitucional 95 e da lei da terceirização, além de combater o trabalho precário. Também garantir a universalização do sistema previdenciário e sua sustentabilidade.
Representantes da Fenafisco e da Anfip também participaram do evento e apresentaram um projeto de reforma tributária solidária, que desonera os trabalhadores e trabalhadoras, taxa grandes fortunas e corrige injustiças históricas no sistema de impostos do Brasil, que sempre penalizou os mais pobres.
Na próxima semana, o movimento sindical vai ao Congresso Nacional entregar a agenda aos parlamentares. O ato político é uma forma de apresentar ao atual governo e aos candidatos futuros um projeto de desenvolvimento para o país, com democracia, soberania, desenvolvimento e justiça social.
fonte: Portal CTB

Nenhum comentário:

Postar um comentário