Páginas

domingo, 16 de setembro de 2018

CTB RJ repudia declarações de Wagner Victer e defende profissionais da Educação


Que a covardia era uma das principais marcas do desgoverno de Luís Fernando Pezão (PMDB) e seus aliados, todos já sabíamos, mas o nível do descaramento parece ter superado todos os limites do absurdo nessa manhã de terça-feira (4). Após os sofríveis índices de desempenho da educação pública do Rio de Janeiro no IDEB, o secretário de educação do governo Pezão, Wagner Victer, colocou a culpa na paralisação da categoria, em 2014.

Com a declaração, o secretário tenta tirar de si uma responsabilidade que é exclusivamente de sua secretaria e do governo ao qual pertence. O descaso com a educação pública do Rio de Janeiro é notório. As escolas sofrem com faltas de investimentos e de professores; as universidades são sucateadas, não há projeto para o setor e a paralisação da categoria não pode ser responsabilizada. As aulas foram repostas, o que não foi reposto foram os recursos para um salto de qualidade na educação pública estadual. A justificativa da greve não é fundamentada pelos dados. Não houve mudança no comportamento do governo para com a educação de 2015 até os dias atuais.

Os números do IDEB dão uma ideia de como a educação é tratada no Estado. Nossa educação pública  não atingiu nenhuma meta projetada, em nenhum nível de escolaridade.
No caso do ensino médio, responsabilidade do Governo do Estado, piorou. O Rio teve uma média menor do que o Brasil e o pior desempenho nas regiões Sudeste e Sul. Resultado inaceitável. Os/as professores/as e demais profissionais da SEEDUC convivem com baixos investimentos nas suas condições de trabalho, quatro anos sem reajuste salarial, e preparam uma nova paralisação, convocada pelo SEPE (Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação), para enfrentar os ataques que o governo Pezão promove constantemente contra a categoria.


Nós, da CTB Rio de Janeiro, defendemos a valorização dos professores e dos profissionais da educação como caminho para elevar a qualidade do nosso ensino e construir uma educação forte, emancipadora e soberana. Precisamos melhorar a estrutura e tornar a escola mais atrativa para o jovem, integrando-a à comunidade e fazendo com que ela passe a ser um elemento da mesma. Precisamos de mais respeito e dignidade para os professores e professoras da SEEDUC desenvolverem seu trabalho.

Em defesa da valorização e do respeito aos profissionais da educação.
Rio de Janeiro, 4 de setembro de 2018
Paulo Sérgio Farias
Presidente da CTB-RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário